Por que eu treino Aikido?

undefined O´sensei

Há mais ou menos um ano atrás, publiquei um post no
Instagram, uma reflexão minha sobre o aikido; estava confusa sobre se
compreender essa arte marcial era somente ir treinar e entender, só ali no
tatame, todas as minhas dúvidas. Queria mais. E numa longa conversa com meu
amigo querido Cauê Gouveia, onde falávamos da vida, mas principalmente sobre
aikido, consegui enxergar coisas que ainda estavam sem uma definição coerente
pra mim mesma: por que eu treino aikido?

Afirmei algumas vezes que essa prática me deixava mais centrada, focada,
menos ansiosa….”bullshit“! Simplifiquei nessas palavras algo que
ainda de fato eu não entendia (e ainda estou descobrindo).

Machucados, resfriados, com o corpo doendo, com limitações….ainda sim,
estamos lá, caindo, levantando, atentos (desatentos)…. Aikido é treinar! Sim!
Mas mais que isso, é se olhar internamente, desafiar a você mesmo, quebrar
barreiras, se permitir errar.

O lindo do aikido é observar sua relação com o outro; perceber que você é
parte do treino do parceiro e ele da sua prática e tentar estabelecer uma
conexão de troca com cada um todos os dias. O aikido é orgânico, mutável,
adaptável…..uma metamorfose ambulante (lindo isso!). E por isso é tão mágico:
quando você compreende que o básico pode se fazer de diversas possibilidades, é
incrível! E aí você entende que sua prática não tem fim!

Lembro que quando comecei no aikido, perguntei para o meu sensei:
“quantos golpes existem no aikido?” E ele me respondeu: “existem
as técnicas básicas, mas muitas possibilidades de variação.” Na hora
pensei: “caramba! não vou aprender nunca!” Na verdade, eu vou
aprender sempre!

Lembro também de um período que quando o mestre demonstrava um movimento eu
pensava: “ah, isso eu já sei”. Mas só agora consigo entender uma
máxima do aikido: manter a mente de principiante (shoshin). E é exatamente isso
que me trás para o tatame: saber que sempre posso aprender mais do mesmo! Que
cada treino posso observar algo novo nos movimentos do mestre; a cada golpe
posso viver uma experiência nova. Um parceiro diferente trás reflexões e
possivelmente resultados e conclusões diferentes.

Sempre que vou ao Dojo eu penso, “qual será a novidade de hoje?”
Muitas vezes o sensei trás algo novo, mas em outras ocasiões é o meu olhar, a
minha pesquisa que trás novas respostas.

Posso dizer que é muito bom treinar com amigos graduados, onde o movimento
flui, o aikido “bonito” aparece. É confortável. Mas incrível mesmo é
receber um aluno novo, curioso, querendo aprender e então você se lembra do seu
início, de como foram os seus primeiros dias, de como foi importante cada
passo, cada atitude, cada gesto das pessoas que te ajudaram a chegar até
aqui….e de como é bom ser essa pessoa na vida de um iniciante! Que sim, temos
limitações, que erramos; que aquele golpe não deu certo e que tudo bem! E tudo
bem também ceder, tudo bem fazer de novo, tudo bem recomeçar. Você precisa se
lembrar sempre que não precisa ser bom, nem forte….só precisa ser você! E
estar ali! E aproveitar!

Domo arigato!

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s